Menu

domingo, 27 de março de 2011

Discussão sobre quem foi a verdadeira máquina

A original foi a do biênio 75/76, mas para muitos a real foi a do triênio 83/84/85. Questão de gosto não se discute e assim entra ano e sai ano e vai sempre perdurar essa discussão. Vira e mexe e no mural do Canal Fluminense esse assunto vem a tona.

Hoje o Canal Fluminense viveu mais um dia de atritos por conta da tal máquina e até mesmo pelo resultado do jogo de hoje que não foi nada bom pro Fluzão.

No meu entender, a máquina se refere a facilidade de fazer gols que o Flu tinha nos anos de 1975 e 1976. Muito embora dois jogos foram fundamentais e fatais para o time das Laranjeiras nos brasileiros daqueles anos. Em 1975 contra o Corintians e em 1976 contra o Internacional. Se futebol já é um esportesem lógica, o mata mata é pior ainda. Os exemplos estão aí na Copa do Brasil com o Santo André campeão contra o Flamengo em pleno Maracanã, Paulista campeão contra o Flu no Maracanã, e assim vai. No futebol é assim: nem sempre o melhor vence. Vejam o super time do Brasil em 82 e 86. Essa seleção empolgava o mundo com seu requinte de toques de bola, mas, fatalidades apareceram no percurso e assim França e Itália estragaram o sonho de o planeta ver talvez a melhor seleção do mundo de todos os tempos conquistar a copa.
Que era uma máquina de fazer gols, aquele Flu de 75 e 76, era. Goleou todos os grandes do Rio nesses dois anos. Vencia e convecia. Já nos anos de 1983 a 85, o time era bem entrosado, e o forte maior era a defesa. Tinha um super goleiro chamado Paulo Victor, dois excepcionais laterais, Aldo e Branco, uma zaga invejável com Duílio ou Vica e Ricardo Gomes, e um meio campo com Jandir, Delei e Romerito que transformaram Assis e Washington em craques. Pra mim, a máquina que fazia gols foi aquela que tinha craques do goleiro ao ponta esquerda.

Um comentário:

  1. Esse mural já não é mais o mesmo, saudades de outrora.

    ResponderExcluir